quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Desiderata

Os poemas filosóficos em prosa Uma Prece e Desiderata são considerados as obras-primas de Max Ehrmann. Entretanto, foi Desiderata, escrito em 1927, quando ele tinha 55 anos, que tornou-se mundialmente conhecido. O poema trata de como podemos alcançar a felicidade nesta vida.

Vá calmamente, entre o barulho e a pressa, e lembre-se da paz que somente existe no silêncio.

Na medida do possível, e sem se atraiçoar, tenha boas relações com todas as pessoas. Diga a sua verdade quieta e claramente.

Ouça os outros, mesmo os obtusos e ignorantes. Eles também tem uma estória a contar.


Evite as pessoas ruidosas e agressivas. Elas são tormentos para o espírito.

Se você se comparar aos outros você se tornará ora vaidoso, ora amargo, pois há sempre pessoas que lhe são inferiores ou superiores.


Goze tanto as suas realizações quanto os seus sonhos. Mantenha-se interessado naquilo que você faz, por humilde que seja. Aquilo que você faz é algo que você realmente possui, num tempo em que tudo muda sem parar.


Pratique a prudência nos seus assuntos comerciais, pois o mundo está cheio de trapaças. Mas não deixe que isto o faça cego para as virtudes que existem. Muitas pessoas se esforçam por ideais altos. Por toda parte a vida está cheia de heroísmo.


Seja você mesmo. Não finja afeição. E nem seja cínico acerca do amor. A despeito da aridez e do desencanto, ele renasce tão teimosamente quanto a tiririca.


Aceite com elegância o conselho dos anos, deixando graciosamente para trás os prazeres da juventude. Crie força de espírito para proteger-se na desgraça repentina. Não se aflija, porém, com coisas imaginadas. Muitos temores nascem do cansaço e da solidão.

Tenha uma disciplina saudável, mas seja gentil para consigo mesmo. Você é um filho do universo, tanto quanto as árvores e as estrelas. Você tem o direito de estar aqui. E, quer você saiba disto ou não, o fato é que o universo caminha como deve. Por isto, esteja em paz com Deus, não importa como você pensa que ele é.


A despeito da barulhenta confusão da vida, mantenha-se em paz com a sua alma.


Com todos os seus enganos, labutas e sonhos não realizados, este continua a ser um belo mundo. Cuide-se. Esforce-se por ser feliz...


Recebido por e-mail da amiga Vitoria
Imagem: mandalamystica.com.br/index.php/significado-esoterico-dos-simbolos-nas-mandalas/mandalamystica-dark-purple/

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Linda Rosa



Pior que o melhor de dois
Melhor do que sofrer depois
Se é isso que me tem ao certo
A moça de sorriso aberto

Ingênua de vestido assusta
Afasta-me do ego imposto
Ouvinte claro, brilho no rosto
Abandonada por falta de gosto

Agora sei não mais reclama
Pois dores são incapazes
E pobres desses rapazes
Que tentam lhe fazer feliz

Escolha feita inconsciente
De coração não mais roubado
Homem feliz, mulher carente
A linda rosa perdeu pro cravo

Pior que o melhor de dois
Melhor do que sofrer depois
Se é isso que me tem o certo
A moça de sorriso aberto

Ingênua de vestido assusta
Afasta-me do ego imposto
Ouvinte claro, brilho no rosto
Abandonada por falta de gosto

Agora sei não mais reclama
Pois dores são incapazes
E pobres desses rapazes
Que tentam lhe fazer feliz

Escolha feita inconsciente
De coração não mais roubado
Homem feliz, mulher carente
A linda rosa perdeu pro cravo

Homem feliz, mulher carente
A linda rosa perdeu pro cravo

Maria Gadú
Composição: Gugu Peixoto / Luis Kiari
Imagem: br.olhares.com/o_cravo_e_a_rosa_foto2943185.html
Autora: Lucineia

A Culpa


Ah, que se o amor não é mais como antes, meu bem,
deve ser do mundo que gira ou de uma outra mulher a culpa.
Deve ser do tempo que passa e das rugas distantes do rosto,
mas vistas de longe no fundo da alma;
do gosto que muda de quando em vez.
Calma! espere por mim (de novo e sempre um carinho se fez).
Não vale a pena sangrar por sangrar, crescer de véspera,
fugir diante das palmas, lembrar de rolar um pranto, enfim...
Não durma antes de sonhar.

Varandistas
Composição: (Letra: Fred Sommer/ Música: Aureo Gandur)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Lista de nomes de flores J- Z


J

Jacinto – Tristeza profunda
Jasmim amarelo – Bondade
Jasmim branco – Amabilidade
Junquilho - Tristeza

L

Lavanda – Desconfiança
Lilás - Aspiração
Lírio – Sorte
Lírio-do-vale – Volta da felicidade
Lisianto – Poder
Lótus – Protecção e amor

M

Magnólia – Simpatia
Malmequer – Romper
Margarida – Inocência
Menta – Memória
Mimosa – Segurança
Miosótis – Amor sincero

N

Narciso – Egoísmo e vaidade
Nenúfar – Coração puro

O

Orquídea – Pureza

P

Papoila – Sonho
Peônia – Timidez
Perpétua – Para sempre
Pervinca – Lembrança eterna
Petúnia – Obstáculo
Prímula – Juventude

R

Rododendro – Elegância
Rosa amarela – Felicidade
Rosa azul – Mistério
Rosa branca – Inocência
Rosa branca champanhe – Fidelidade
Rosa castanha chá – Respeito
Rosa laranja – Encanto
Rosa lilás – Amor à primeira vista
Rosa cor-de-rosa – Amizade
Rosa roxa – Amor materno
Rosa vermelha – Paixão

S

Saudade – Saudade
Sempre-Viva – Declaração

T

Tulipa amarela – Esperança de amor
Tulipa vermelha – Declaração de amor

V

Variegada – Belos olhos
Verónica – Martírio
Violeta – Lealdade

Z

Zinia – Leviandade


Lista de nomes de flores A - I



A

Acácia – Elegância
Acácia amarela – Amor secreto
Acácia branca – Elegância
Açafrão – Conhecimento do excesso
Acônito – Queres a minha morte
Açucena - Angustia
Adelfa – Sedução
Alecrim – Coragem e felicidade
Alfazema – Calma
Amarílis - Orgulho
Amor-Perfeito – Pensamentos
Anêmona – Persistência
Anis - Promessa
Aro – Ardor
Azálea branca – Romance
Azálea rosa – Amor à natureza
Azálea vermelha – Longo amor

B

Begónia – Cordialidade, timidez
Beladona – Sinceridade
Betonica – Surpresa
Bogarim – Amor puro
Bonina – Amor confiante
Brinco-de-Princesa - Superioridade

C

Cacto – Perseverança
Camélia branca – Virtude despretensiosa
Camélia rosa – Grandeza da alma
Camélia vermelha – Reconhecimento
Campânula – Admiração
Cardo – Desprazer
Centáurea – Sinceridade
Ciclame – Ciúme
Clematite – Beleza espiritual
Copo-de-leite – Felicidade e pureza
Coroa Imperial – Poder
Cravo amarelo – Desdém
Cravo branco – Amor ardente
Cravo rosa – Preferência
Cravo roxo – Solidão
Cravo vermelho – Amor vivo
Crisântemo amarelo – Amor atrevido
Crisântemo branco - Verdade
Crisântemo vermelho – Estar apaixonado

D

Dália amarela – União recíproca
Dália rosa – Delicadeza
Dália vermelha – Olhos abrasadores
Dente de leão – Vida
Dormideira – “Deixa-me”

F

Flor de laranjeira – Virgindade
Flor de pessegueiro – Amor conjugal
Flor de romãzeira – Amizade sincera
Flor-de-lis - Mensagem
Flores do campo – Felicidade
Fúcsia – Ardor no coração

G

Gardénia – Sinceridade
Genciana – Dor
Gerânio escuro – Tristeza
Gerânio rosa – Capricho
Gerânio silvestre – Devoção
Gerânio vermelho – Consolo
Gérbera – Alegria
Giesta – Preferência
Girassol – Dignidade
Gladíolo – Encontro
Glicínia – Ternura
Goivo - Constância

H

Hortênsia - Frieza

I

Íris amarelo – Mensagem
Íris azul – Confiança
Íris branco – Esperança

Significado da Cor das Rosas

As rosas vermelhas

As rosas vermelhas no chão são símbolo de amor, um simples amigo as pode enviar lisonjeando a beleza e o respeito que os une. Trata-se duma das cores mais excitantes e apaixonadas da rosa. Os jovens apaixonados costumam escolher a rosa vermelha para oferecer à sua parceira, mas também podem oferecer a um amigo como prova de respeito.

As rosas brancas


São o símbolo da pureza e da inocência. Esta cor costuma ser escolhida pelas noivas para os seus buquês porque significa que durará toda a vida. As rosas brancas também estão unidas ao amor. Uma rapariga a quem se ofereça este tipo de rosas quer-se demonstrar que esperam um futuro sólido com ela. Significa amor puro, feliz e para sempre. Alias, se uma pessoa está doente, esta é a cor das rosas que devem oferecer, para demonstrar que esperam por ela.

As rosas cor-de-rosas


Oferecer uma flor cor-de-rosa é a forma de agradecer um favor importante. Também significa o apreço que se tem por alguém. Esta rosa também tem o significado de ausência de maldade, ou seja, não há nenhuma dupla intenção nas pessoas que as oferecem. Por isso, a pessoa que oferece este rama de flores é de fiar. Se a cor do ramo de flores é de um tom rosa suave, então significa admiração e simpatia.

As rosas amarelas


São as rosas ideais para oferecer a um adolescente. Para os mais supersticiosos, esta cor traz consigo uma malícia. Se a pessoa que oferece estas rosas não é muito próxima, então ela pode ter segundas intenções. No entanto, para as pessoas cépticas, as rosas amarelas significam satisfação e alegria, e são uma boa forma de festejar entre amigos um aniversário significativo.

Outras cores

  • As rosas laranjas: Significa entusiasmo e desejo.
  • As rosas vermelhas bordeaux: Significa beleza inconsciente.
  • As rosas azuis: Significam confiança, reserva, harmonia e afecto.
  • As rosas verdes: Significa esperança, descanso da juventude e equilíbrio.
  • As rosas violetas: Significa calma, auto-controlo, dignidade e aristocracia.
  • As rosas pretas: Significa separação, tristeza e morte.
  • As rosas cinzentas: Significa desconsolo, aborrecimento e velhice.





Fonte:http://www.mundodeflores.com/rosas-significado-cor-rosas.html


Linguagem das Flores


Todas as flores contam com uma linguagem própria, e com cada uma delas podemos transmitir uma mensagem diferente. Desde da antiguidade, as flores têm sido uma via para dar a conhecer e transmitir sentimentos de muitas maneiras. A linguagem das flores tem a sua origem no Oriente e tem-se transmitido de geração em geração e de cultura em cultura, passando pelo Antigo Egipto, a Idade Média, o Renascimento, etc., até chegar ao Romanticismo, época onde esta prática teve o seu clímax.

Existe uma linguagem associada às flores para cada ocasião. Por exemplo, a rosa vermelha é sinónimo de amor, a amarela de amizade, a branca de medo, etc. Outros exemplos: a margarida branca simboliza inocência e pureza, porque está relacionada com a infância; a gardénia significa alegria, a flor de azahar, castidade, a tulipa, amor desesperado se é amarela, e uma subtil declaração de amor se vermelha; o cravo significa distinção e nobreza, e o lírio inocência, pureza e alegria. Mas não devemos apenas ter em conta a flor em si mesmo. Também é importante a forma como oferecemos um ramo de flores.

O laço indica a quem se refere os sentimentos expressados no ramo. Se o laço estiver à esquerda quer dizer que os sentimentos expressados referem-se ao remetente, e se estiver à direita, então fazem referência ao destinatário. A mensagem muda dependendo da posição da flor e se ela está aberta ou fechada. Desta forma, uma flor com o caule para cima significa um gesto de maldade. Por causa de todos estes factores, oferecer flores a alguém não pode ser algo feito ser pensar, por tem que se considerar três aspectos: o que representa cada uma, o que queremos transmitir e qual é a flor preferida da pessoa a quem vamos oferecer. Ao mesmo tempo, não devemos menosprezar a importância que tem a cor das floreavs, porque estas podem provocar certas atitudes e emoções que afectam a mente humana.

Fonte: http://www.mundodeflores.com/rosas-linguagem-flores.html

Estão voltando as flores


Vê, estão voltando as flores
Vê, nessa manhã tão linda
Vê, como é bonita a vida
Vê, há esperança ainda

Vê, as nuvens vão passando
Vê, um novo céu se abrindo
Vê, o sol iluminando

Por onde nós vamos indo
Por onde nós vamos indo

Altemar Dutra
Composição: Paulo Soledade

domingo, 24 de outubro de 2010



“Por via das dúvidas, melhor não se aproximar, vá que pegue.De uma hora para a outra, fiquei assim, lúcida e diabólicamente tranquila.Não que os problemas tenham sumido, mas deixaram de ser coisas de outro mundo.”
...Desde a hora em que acordo até a hora de ir dormir, a lista de providências a tomar é quilométrica, e dou conta de tudo, e se não dou, paciência.”

[Martha Medeiros-maturidade-Coisas da vida]



“Engordei?Engordei um quilinho. Não deve constar na lista dos pecados mortais.Na alma, que é o que importa, estou esquelética.Leve feito uma pétala”

[Martha Medeiros-maturidade-Coisas da vida]



“Não há nada que nos dê mais segurança emocional do que não “precisar” dos outros, e sim contar com os outros para aquilo em que eles são insubstituíveis: companhia, sexo, risadas, amizade, conforto.
Se ainda não atingiu esse estágio, suba num cavalo imaginário e dê seu grito do Ipiranga. Ficar amarrado à vida alheia faz vocÊ viver menos a sua. Nada de se fazer de desentendida só para não se incomodar.Incomode-se.Dependência é morte”

[Martha Medeiros-Independência ou morte-Coisas da vida]



“(...)Até que um dia a gente faz aniversário. 37 anos.Ou 41.Talvez 48. uma idade qualquer que esteja no meio do trajeto. E a gente descobre que o tempo não pode continuar sendo desperdiçado.
(...)Sem muita frescura, sem muito desgaste, sem muito discurso.Tudo o que a gente quer, depois de certa idade, é ir direto ao assunto.Excetuando-se do sexo, onde a rapidez não é louvada, para todo o resto é melhor atalhar.”

[Martha Medeiros-Atalhos-Coisas da vida]




“(...)Meu mundo se resume a palavras que me perfuram, a canções que me comovem, a paixões que já nem lembro, a perguntas sem respostas, a respostas que não me servem,à constante perseguição do que ainda não sei.”

[Martha Medeiros-explosões-Coisas da vida]




“(...)A passagem do tempo, se nos tira algum viço-e nem tira tanto assim, com os recursos que existem hoje-,nos dá em troca muita coisa: serenidade, autoconfiança, experiência.E o mais importante de tudo:humor!
(...)Não há tempo a perder com pecuinhas, com ciúmes,com desconfianças, com sonhos inatingíveis..Uma mulher madura troca sonhos por objetivos.Não precisa mais matar dez leões po dia, já se estabeleceu e agora quer aproveitar a vida, curtir bons shows, viajar, ficar bonita e fazer umas loucuras que nunca se atreveu quando era mais jovem.Qual é o homem que não vai quere uma mulher assim?”

[Martha Medeiros-Mulheres e meninos-Coisas da vida]



“(...)A verdade é que até quem não gosta de ler lê toda hora:bulas, rótulos,outdoors,placas de trânsito, etiquetas, cheques,mapas, regulamentos,cardápios, mensagens de celular.Óculos só para ler significa óculos no mínimo 16 horas por dia, isso no caso de você sonhar sem legendas.”

[Martha Medeiros-Fora de foco-Coisas da vida]




“(...)Eu proponho uma campanha de saúde pública: vamos ser mais bem humorados, mais desarmados.Podemos ser cidadãos sérios e respeitáveis e, ao mesmo tempo, leves.Basta agir com delicadeza, soltura,autenticidade, sem obediência cega às convenções, aos padrões, aos patrões,Um pouco mais de jogo de cintura, de criatividade, de respeito às escolhas alheias.Vamos deixar para sofrer pelo que é realmente trágico, e não por aquilo que é apenas incômodo, senão fica impraticável atravessar os dias”

[Martha Medeiros-A importância de perder peso-Coisas da vida]




(...)A conclusão a que chego é:como é difícil desapontar-se com quem a gente gosta.
(...)É muito mais fácil desgostar de quem nunca se gostou, de quem já implicávamos por antecipação.Mas se, ao contrário, havia amor, quanta decepção”

[Martha Medeiros-Não gostar de quem se gosta-Coisas da vida]



“(...)É a velha história do livro, do filho e da árvore, o trio que supostamente nos imortaliza.Filhos somem no mundo, árvores sãp cortadas, livros mofam em sebos.A única coisa que nos imortaliza-mesmo- é a memória de quem amou a gente.

[Martha Medeiros-O sentido da vida-Coisas da vida]



(...) A gente tem a vida que pediu, sim.Se ela não está boa, quem nos impede de buscar outras opções?

[Martha Medeiros-A vida que pediu a Deus-Coisas da vida]



(...)A maturidade é um álibi frágil.Seguimos com uma alma de criança que finge saber direitinho tudo o que deve ser feito, mas que no fundo entende muito pouco das engrenagens do mundo”

[Martha Medeiros-Tudo o resto-Coisas da vida]

Fonte: marthahelenaperdaseganhos.blogspot.com/2009/03/como-estou-martha-medeiros-fragmentei.html


Não pretendo saber o que me pertence
para guardar melhor.

Há algo que o tempo não toca.
O tempo não está decidido no rosto,
mas na forma como se escapa do tempo.
Quanto maior o desespero em fugir,
maior será a velhice.

Fabrício Carpinejar
Fonte: marthahelenaperdaseganhos.blogspot.com/2010/10/como-se-escapa-do-tempo.html

domingo, 3 de outubro de 2010

Primavera


A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Cecília Meireles
Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

Encanto de Primavera


Neste ano em plena primavera
gozaremos férias no mundo encantado
teremos quietude alegria e paz
bem longe deste mundo agitado

Vou junto com a Fada Arco-íris
aprender a arte do bem-fazer
sentiremos o calor fraterno
vamos nos esbaldar pra valer

Brincaremos com todas as flores
saudando felizes sua temporada
Pintaremos de todas as cores
pedrinhas que margeiam as estradas

Nadar com os peixinhos e sereias
renovar nossas energias lá no mar
deixaremos nossas pegadas na areia
jornada que as estrelas irão abençoar

Graciela da Cunha/SoninhaBB

HÁLITO DE PRIMAVERA


Minha pele alva
possui além do
óleo essencial da vida
o poema mais perfumado...
.
Gotas da tua saliva
estão impregnadas em cada poro,
vapor dos teus beijos florais...
Hálito de primavera.
.
BEBE

Leitura


Ando com os olhos cansados
Das leituras dos jornais,
Infectam mentes esclarecidas
Ou não, deixam olhos sem esperança!

Vejo as águas do rio correndo para o mar,
Flores que crescem no jardim, matas
campinas e nas pedras das montanhas,
O céu azul e o verde das árvores e relvas
E samambaias da varanda, a renovação
Das montanhas.

De nada vale leituras sarcásticas!
Perco tempo deixando de ouvir o cantar dos
Pássaros, notícias que os pombos nos trazem,
O vôo das andorinhas, anúncio em folhas verdes
Das minhas mangueiras.

Não quero informações perniciosas,
Pervertidas e mentirosas,
Cansei-me de notícias enganosas!

Marta Peres
Fonte: orebate-martaperes.blogspot.com/2008_01_01_archive.html

Amar Bonito



Talvez seja tão simples, tolo e natural que você nunca tenha parado para pensar:
Aprendam a fazer bonito seu amor.
Ou fazer o seu amor ser ou ficar bonito.
Aprenda, apenas, a tão difícil arte de amar bonito.
Gostar é tão fácil que ninguém aceita aprender...
Tenho visto muito amor por aí.
Amores mesmo: bravios, gigantescos, descomunais, profundos, sinceros, cheios de entrega, doação e dádiva.
Mas esbarram na dificuldade de se tornar bonitos.
Apenas isso: bonitos, belos ou embelezados, tratados com carinho, cuidado e atenção.
Amores levados com arte e ternura de mãos jardineiras.
Aí, esses amores que são verdadeiros, eternos e descomunais, de repente se percebem ameaçados e tão somente porque não sabem ser bonitos: cobram, exigem, rotinizam, descuidam, reclamam, deixam de compreender, necessitam mais do que oferecem, precisam mais do que atendem, enchem-se de razões.
Ter razão é o maior perigo no amor.
Quem tem razão sempre se sente no direito (e o tem) de reivindicar, de exigir justiça, equidade, equiparação, sem atinar que o que está sem razão talvez passe por um momento de sua vida no qual não possa ter razão.
Nem queira!!!
Ter razão é um perigo: em geral, enfeia um amor,
pois é invocado com justiça, mas na hora errada.
Amar bonito é saber a hora de ter razão.
Ponha a mão na consciência. Você tem certeza de que está fazendo o seu amor bonito?
De que está tirando do gesto, da ação, da reação, do olhar, da saudade, da alegria do encontro, da dor do desencontro a maior beleza possível?
Talvez não.
Cheio ou cheia de razões, você separa do amor apenas aquilo que é exigido por suas partes necessitadas, quando talvez dele devesse pouco esperar, para valorizar melhor tudo de bom que de vez em quando ele pode trazer.
Quem espera mais do que isso sofre e, sofrendo, deixa de amar bonito.
Sofrendo, deixa de ser alegre, igual, irmão, criança.
E sem soltar a criança, nenhum amor é bonito.
Não tema o romantismo. Derrube as cercas da opinião alheia.
Faça coroas de margaridas e enfeite a cabeça de quem você ama.
Saia cantando e olhe alegre.
Recomenda-se: encabulamentos, ser pego em flagrante gostando, não se cansar de olhar e olhar, não atrapalhar a convivência com teorizações, adiar sempre se possível com beijos 'aquela conversa importante que precisamos ter', arquivar, se possível, as reclamações pela pouca atenção recebida.
Para quem ama, toda atenção é sempre pouca.
Quem ama feio não sabe que pouca atenção pode ser toda a atenção possível.
Quem ama bonito não gasta tempo dessa atenção cobrando a que deixou de ter.
Não teorize sobre o amor (deixe isso para nós, pobres escritores que vemos a vida como criança de nariz encostado na vitrine cheia de brinquedos dos nossos sonhos);
não teorize sobre o amor, ame.
Siga o destino dos sentimentos aqui e agora.
Não tenha medo exatamente de tudo o que você teme, como:
a sinceridade, abrir o coração, contar a verdade do tamanho do amor que sente;
não dar certo e depois vir a sofrer (sofrerá de qualquer jeito).
Jogue pro alto todas as jogadas, estratagemas, golpes, espertezas, atitudes sabiamente eficazes (não é sábio ser sabido): seja apenas você no auge de sua emoção e carência, exatamente aquele você que a vida impede de ser.
Seja você cantando desafinado, mas todas as manhãs.
Falando besteiras, mas criando sempre.
Gaguejando flores.
Sentindo o coração bater como no tempo do Natal infantil.
Revivendo os caminhos que intuiu em criança.
Sem medo de dizer eu quero, eu estou com vontade.
Deixe o seu amor ser a mais verdadeira expressão de tudo que você é.
Se o amor existe, seu conteúdo já é manifesto.
Não se preocupe mais com ele e suas definições.
Cuide agora da forma do amor:
Cuide da voz.
Cuide da fala.
Cuide do cuidado.
Cuide de você.
Ame-se o suficiente para ser capaz de gostar do amor e só assim poder começar a tentar fazer o outro feliz.

Artur da Távola

QUEM NAMORA


Quem namora agrada a Deus.
Namorar é a forma bonita de viver um amor.
Não namora quem cobra nem quem desconfia.
Namora, quem lê nos olhos e sente no coração
as vontades saborosas do outro.


Namora, quem se embeleza em estado de amor.
Namora, quem suspira, quem não sabe esperar mas espera,
quem se sacode de taquicardia e timidez diante da paixão.
Namora, quem ri por bobagem, quem sente frios e calores
nas horas menos recomendáveis.


Não namora quem ofende, quem transforma
a relação num inferno, ainda que por amor.
Amor às vezes entorta, sabia?
E quando acontece, o feito pra bom faz-se ruim.
Não namora quem só fala em si e deseja o parceiro
apenas para a glória do próprio eu.


Não namora quem busca a compreensão
para a sua parte ruim.
O invejoso não namora. Tampouco o violento!
Namorados que se prezam têm a sua música.
E não temem se derreter quando ela toca.
Ou, se o namoro acabou, nunca mais dela se esquecem.


Namorados que se prezam gostam de beijo, suspiro,
morderem o mesmo pastel, dividir a empada, beber no
mesmo copo. Apreciam ternurinhas que matam de vergonha
fora do namoro ou lhes parecem ridículas nos outros.


Por falar em beijo, só namora quem beija de mil maneiras
e sabe cada pedaço e gostinho da boca amada. Beijo de
roçar, beijo fundo, inteirão, os molhados, os de língua,
beijo na testa, no seio, na penugem, beijo livre como o
pensamento, beijo na hora certa e no lugar desejado. Sem
medo nem preconceito. Beijo na face, na nuca e aquele
especial atrás da orelha, no lugar que só ele ou ela
conhece.


Namora, quem começa a ver muito mais no mesmo
que sempre viu e jamais reparou. Flores, árvores, a santidade, o perdão, Deus,
tudo fica mais fácil para quem de verdade sabe o que é namorar.
Por isso só namora quem se descobre dono de um lindo amor.


Só namora quem não precisa explicar, quem já começa a
falar pelo fim, quem consegue manifestar com clareza e
facilidade tudo o que fora do namoro é complicado.


Namora, quem diz: "Precisamos muito conversar"; e quem é
capaz de perder tempo, muito tempo, com a mais útil das
inutilidades e pensar no ser amado, degustar cada
momento vivido e recordar palavras, fotos e carícias com
uma vontade doida de estourar o tempo e embebedar-se de
flores astrais.


Namora, quem fala da infância e da fazenda das férias,
quem aguarda com aflição o telefone tocar e dá um salto
para atendê-lo antes mesmo do primeiro "trim". Namora,
quem namora, quem à toa chora, quem rememora,
quem comemora datas que o outro esqueceu.
Namora, quem é bom, quem gosta da vida,
de nuvem, de rio gelado e parque de diversões.


Namora, quem sonha, quem teima, quem vive morrendo de
amor e quem morre vivendo de amar.

Artur da Távola

Falando com o Coração


O amor maduro não é menor
em intensidade
Ele é apenas silencioso
Não é menor em extensão
É mais definido, colorido e
poetizado


Não carece de demonstrações;
presenteia com a verdade do
sentimento


Não precisa de presenças
exigidas
Amplia-se com as ausências
significantes


O amor maduro tem e quer
problemas, sim como tudo,
Mas vive dos problemas da
felicidade.
Problemas da felicidade são
formas trabalhosas de
construir o bem e o prazer
Problemas da infelicidade
não interessam ao amor
maduro


Na felicidade está o encontro
de peles, o ficar com gosto
da boca e do cheiro, está a
compreensão antecipada, a
adivinhação, o presente de
valor interior, a emoção vivida
em conjunto, os discursos
silenciosos da percepção, o
prazer de conviver, o equilíbrio
de carne e de espírito


O amor maduro é a
valorização do melhor do outro
e a relação com a parte salva
de cada pessoa
Ele vive do que não morreu
mesmo tendo ficado para depois


Vive do que fermentou, criando
dimensões novas para
sentimentos antigos, jardins
abandonados, cheios de
sementes


Ele não pede...tem
Não reivindica...consegue
Não percebe...recebe
Não exige...dá
Não pergunta...adivinha
Existe, para fazer feliz


O amor maduro cresce
na verdade e se esconde a
cada auto-ilusão


Basta-se com o todo do pouco
Não precisa nem quer
nada do muito
Está relacionado com a vida
e sua incompletude, por isso
é pleno em cada ninharia por
ele transformada em paraíso


É feito de compreensão,
música e mistério
É a forma sublime de ser
adulto
E a forma adulta de ser
sublime e criança


É o sol de outono
Nítido mas doce...
Luminoso sem ofuscar...
Suave mas definido...
Discreto mas certo...
Um sol, que aquece até
queimar...

Artur da Távola

Me Olvidé de Vivir



De tanto correr por la vida sin freno
Me olvidé que la vida se vive un momento
De tanto querer ser en todo el primero
Me olvidé de vivir los detalles pequeños.

De tanto jugar con los sentimientos
Viviendo de aplausos envueltos en sueños
De tanto gritar mis canciones al viento
Ya no soy como ayer, ya no se lo que siento

Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir

De tanto cantarle al amor y la vida
Me quede sin amor una noche de un día
De tanto jugar con quien yo más quería
Perdí sin querer lo mejor que tenía.

De tanto ocultar la verdad con mentiras
Me engañé sin saber que era yo quien perdía
De tanto esperar, yo que nunca ofrecía
Hoy me toca llorar, yo que siempre reía.

Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir

De tanto correr por ganar tiempo al tiempo
Queriendo robarle a mis noches el sueño
De tanto fracasos, de tantos intentos
Por querer descubrir cada día algo nuevo.

De tanto jugar con los sentimientos
Viviendo de aplausos envueltos en sueños
De tanto gritar mis canciones al viento
Ya no soy como ayer, ya no se lo que siento.

Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir

Julio Iglesias

Abrázame



Abrázame
Y no me digas nada, sólo abrázame
Me basta tu mirada para comprender
que tú te iras.

Abrázame,
como si fuera ahora la primera vez
Como si me quisieras hoy igual que ayer
Abrázame.

Si tú te vas
Te olvidarás que un día hace tiempo ya
Cuando éramos aun niños me empezaste a amar
Y yo te di mi vida, si te vas.

Si tú te vas
Ya nada será nuestros tú te llevarás
En un solo momento una eternidad
Me quedaré sin nada, si te vas.

Abrázame
Y no me digas nada, sólo abrázame
No quiero que te vayas pero sé muy bien
que tú te irás.

Abrázame
como si fuera ahora la primera vez,
como si me quisieras hoy igual que ayer
Abrázame...

Si tú te vas
me quedará el silencio para conversar,
la sombra de tu cuerpo y la soledad
serán mis compañeras, si te vas.

Si tú te vas
Se irá contigo el tiempo y mi mejor edad
Te seguiré queriendo cada día más
Esperaré a que vuelvas, si te vas.

Julio Iglesias / Rafael Ferro

domingo, 5 de setembro de 2010

Distância dolorosa



Estás tão perto de mim
Tão próximo o teu rosto do meu
Apenas uns escassos centimetros
E os meus lábios pousariam nos teus
No entanto
Um gigantesco mar feito de diferenças
Nos separa
A maior, o amor
Que te dedico
E que não vês
Como podes tu não ver um amor tão grande assim?
Que se ergue agigantado no meu olhar
Que se mostra inteiro, nu, no meu sorriso
Que leva tanta ternura em cada letra de um olá apenas murmurado…
Estás tão perto de mim mas tão longe
Como se um imenso mar nos separasse
No entanto
Se eu estender a mão posso sentir o teu rosto
Imensamente belo nos meus dedos ansiosos.
Gosto de ti. Sim, gosto de ti e isso dói.

Texto: Claudia Moreira (Magnolia) pessoasepoetas.blogs.sapo.pt/30874.html
Foto:
Margherita Giacobazzi

Quero



Quero lhe falar do meu amor
Sufocado na saudade que senti
Renovando o brilho encantador
De todo sonho que então vivi

Quero lhe deixar minhas suaves rimas
Que nascem desse meu sentir profundo
Tecendo palavras em obras primas
Desse amor, maior que todo o mundo

Quero lhe cantar meus versos plenos
De uma paixão terna que ora renasce
Desse meus sonhos antigos e amenos
Desse rubor por vezes em minha face

Quero lhe entregar meu doce bem
Feita em plena magia e emoção
A ternura que meu peito contém
Quando por ti dispara o coração

Sabes de mim, mais do que pensas
Eu de você por vezes nem imagino
Porém, dás por amada recompensa
Esse teu jeito, esse coração de menino

E te amo com toda magia de uma mulher
Com toda dedicação de uma menina
E a vida desenha como ela mesma quer
Minha senda, nossa estrada, nossa sina

Maria Rita Bomfim

Obscuridade



Caminho por entre as curvas
porque não há retas à minha frente
viajo sozinho deixando a ilusão para trás
quero entender o que ninguém sabe explicar

De onde eu venho, não tenho lembranças
para onde eu sigo não sei definir
e quando penso que encontrei o futuro
o cerco se fecha e não dá pra sair

O novelo é gigante e enorme é o brasão
não há nada adiante, atrás muito menos
girando o relógio os ponteiros disparam
então minha cabeça abraça o vazio

Meu coração descompassa na retórica
para que minha timidez possa sorrir do tédio
e ainda escravo dessa incerteza profana
ponho sobre a mesa da indecisão, o ócio

Marçal Filho

sábado, 21 de agosto de 2010

~*♥*~ Sueño Eterno~*♥*~



En mística armonía
como Orfeo y Eurídice
descubrimos la melodía
del arpa virtual de la vida.

Arcano celeste
luz de mi oriente,
hipnotizaste mi alma
con la música de tu sonrisa.

Entre quimeras y verdades
la pasión y la agonía llegaron,
disfrazados de mortales goces
tu y yo nacíamos abrazados al amor.

En la sinrazón de ocultas razones
ocasionamos muchos vendavales,
con olas de ternura y comprensión
arrullamos al dolor y sus pesares.

Destello cósmico y seductor
luz infinita de amor,
..dos ciegos enamorados.


Poema: Valeria Valoska (Fragmento)
Tema musical: Saxophone night_Fausto Papetti
Compos y edición: ♥Cris Fonte♥

~*♥*~~*♥*~~*♥*~~*♥*~~*♥*~~*♥*~

O Mundo Além da Palavras - Jalal-ud-Din Rumi





Dentro deste mundo há um outro mundo impermeável às palavras.
Nele, nem a vida teme a morte, nem a primavera dá lugar ao outono.

Histórias e lendas surgem dos tetos e paredes, até mesmo as rochas e árvores exalam poesia.
Aqui, a coruja transforma-se em pavão; o lobo, em belo pastor.

Para mudar a paisagem, basta mudar o que sentes;
E se queres passear por esses lugares, basta expressar o desejo.

Fixa o olhar no deserto de espinhos.
- Já é agora um jardim florido!
Vês aquele bloco de pedra no chão?
- Já se move e dele surge a mina de rubis!

Lava tuas mãos e teu rosto nas águas deste lugar, que aqui te preparam um fausto banquete.
Aqui, todo ser gera um anjo; e quando me vêem subindo aos céus, os cadáveres retornam à vida.

Decerto viste as árvores crescendo da terra, mas quem há de ter visto o nascimento do Paraíso?
Viste também as águas dos mares e rios, mas quem há de ter visto nascer de uma única gota d'água uma centúria de guerreiros?

Quem haveria de imaginar essa morada, esse céu, esse jardim do paraíso?
Tu, que lês este poema, traduze-o. Diz a todos o que aprendeste sobre este lugar.

Voz :Letícia Sabatella - Imagens : Cedar Lee - Música: Marcus Viana

A CASA DE HÓSPEDES



O ser humano é uma casa de hóspedes.
Toda manhã uma nova chegada.

A alegria, a depressão, a falta de sentido, como visitantes inesperados.

Receba e entretenha a todos
Mesmo que seja uma multidão de dores
Que violentamente varrem sua casa e tira seus móveis.
Ainda assim trate seus hóspedes honradamente.
Eles podem estar te limpando
para um novo prazer.

O pensamento escuro, a vergonha, a malícia,
encontre-os à porta rindo.

Agradeça a quem vem,
porque cada um foi enviado
como um guardião do além.

Jalaluddin Rumi


Desde que chegaste ao mundo do ser,
uma escada foi posta diante de ti, para que escapasses.
Primeiro, foste mineral;
depois, te tornaste planta,
e mais tarde, animal.
Como pode isto ser segredo para ti?

Finalmente, foste feito homem,
com conhecimento, razão e fé.
Contempla teu corpo - um punhado de pó -
vê quão perfeito se tornou!

Quando tiveres cumprido tua jornada,
decerto hás de regressar como anjo;
depois disso, terás terminado de vez com a terra,
e tua estação há de ser o céu.

Jalaluddin Rumi




Quero fugir a cem léguas da razão,
Quero da presença do bem e do mal me liberar.
Detrás do véu existe tanta beleza: lá está meu ser.
Quero me enamorar de mim mesmo, ó vós que não sabeis!

Jalaluddin Rumi

Vem,

Te direi em segredo
Aonde leva esta dança.

Vê como as partículas do ar
E os grãos de areia do deserto
Giram desnorteados.

Cada átomo
Feliz ou miserável,
Gira apaixonado
Em torno do sol.

Jalaluddin Rumi

terça-feira, 20 de julho de 2010

Dia do Amigo - Origem



O Dia do Amigo foi criado pelo argentino Enrique Ernesto Febbraro, inspirado na chegada do homem a lua no dia 20 de Julho de 1969! A ideia nasceu porque Enrique achou que a chegada até a lua simbolizava uma oportunidade de fazer novos amigos em outras partes do planeta, para além da conquista científica.

Assim durante um ano seguido Enrique divulgou o lema: “Meu amigo é meu mestre, meu discípulo e meu companheiro”. Com o passar do tempo e gradativamente a data foi sendo adotada em outro países e hoje em quase todo o mundo o dia 20 de Julho é dedicado ao ‘dia do amigo‘, geralmente é quando as pessoas trocam presentes, abraçam-se e declaram sua amizade umas as outras.

Frases do Dia do Amigo:

- Amigo é aquele diante de quem podemos pensar em voz alta.
Ellen G. White

- Quando um homem é bom amigo, também tem amigos bons.
Niccolo Maquiavel

- Se um amigo te pede dinheiro, pensa bem qual dos dois preferes perder: o dinheiro ou o amigo?
Mark Twain

- Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudades, mas não estará só.
Amir Klink

- Difícil é ganhar um amigo em uma hora; fácil é ofendê-lo em um minuto.
Provérbio chinês

- O silêncio é um amigo que nunca trai.
Confúcio

- Um irmão pode não ser um amigo, mas um amigo será sempre um irmão.
Benjamin Franklin

- Todas as riquezas do mundo não valem um bom amigo.
Voltaire

- Homem nenhum pode ser feliz sem um amigo, nem pode estar certo desse amigo enquanto não for infeliz.
Thomas Fuller

- Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo.
Antoine de Saint-Exupéry

- Há poucos homens capazes de prestar homenagem ao sucesso de um amigo, sem qualquer inveja.
Ésquilo

- Não há pior inimigo que um falso amigo.
Provérbio inglês

Não importa a distância... importa o quanto estou perto do seu coração!!!
Obrigada por sua amizade sincera!

ORAÇÃO DO AMIGO

Há muito se diz que, quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro precioso. Há muito se diz que amizade verdadeira dura pra sempre. Não tem aquelas tempestades da paixão e nem a calmaria exagerada do descompromisso. É o meio termo. É a bonita sensação do estar perto e, de repente, deixar o silêncio chegar. Não exige tanto. Exige tudo.

As amizades nascem do acaso. Ou de alguma força que faz com que uma simples brincadeira, uma informação, um caderno emprestado, uma dor seja capaz de unir duas pessoas. E a cumplicidade vai ganhando corpo, e o desejo de estar junto vai aumentando, e, com ele, a sensação sempre boa do poder partilhar, de se doar. Há muito se diz que os amigos verdadeiros são aqueles que se fazem presentes nos momentos mais difíceis da vida, naqueles momentos em que a dor parece querer superar o desejo de viver.

De fato, os amigos são necessários nesses momentos. Mas, talvez, a amizade maior seja aquela em que o amigo seja capaz de estar ao lado do outro nos momentos de glória, e vibrar com essa glória. Não ter inveja. Não querer destruir o troféu conquistado. Aplaudir e se fazer presente. Ser presente. A amizade não obedece à ordem da proporcionalidade do merecimento. Não há sentido em querer de volta tudo o que com generosidade se distribuiu. A cobrança esmaga o espontâneo da amizade. E a surpresa alimenta o desejo de estar junto.

O amigo gosta de surpreender o outro com pequenos gestos. Coisas aqui e ali que roubam um sorriso, um abraço, um suspiro. E tudo puro, e tudo lindo. Há muito se diz que não é possível viver sozinho. A jornada é penosa e, sem amparo, é difícil caminhar. Juntos, os pássaros voam com mais tranquilidade. Juntas, as gaivotas revezam a liderança para que nem uma delas se canse demais.

Juntos, é possível aos golfinhos comentarem a beleza de um oceano infinito. Juntos, mulheres e homens partilham momentos inesquecíveis de uma natureza que não se cansa de surpreender. Eu te peço, Senhor, nessa singela oração, que me dês a graça de ser fiel aos meus amigos. São poucos. E impossível seria que fossem muitos. São poucos, mas são preciosos. Eu te peço, Senhor, que me afastes do mal da inveja que traz consigo outros desvios. A fofoca. A terrível fofoca que humilha, que maltrata, que faz sofrer.

Eu te peço, Senhor, que o sucesso do outro me impulsione a construir o meu caminho, e que jamais eu tenha ânsia de querer atrapalhar a subida de meu amigo. Eu te peço, Senhor, a graça de ser leal. Que eu saiba ouvir sempre e saiba quando é necessário falar. Senhor, sei que a regra de ouro da amizade consiste em não fazer ao amigo aquilo que eu não gostaria que ele me fizesse. E te peço que eu seja fiel a essa intenção. E sei que essa regra fará com que o que se diz há tanto tempo se realize na minha vida. Que eu tenha poucos amigos, mas amigos que permaneçam para sempre.

Senhor, protege os meus amigos. Que, nessa linda jornada, consigamos conviver em harmonia. Que, nesse lindo espetáculo, possamos subir juntos ao palco. Sem protagonista. Não poderia ter muitos. Não teria tempo para cuidar de todos. E de amigo agente cuida. Amigo a gente acolhe, a gente ama.

Obrigado, Senhor, pelo dom de viver e de conviver. Obrigado, Senhor, pelo dom de sentir e de manifestar o meu sentimento. Obrigado, Senhor, pela capacidade de amar, que é abundante e é sem-fim. Ou melhor, que todos sejam protagonistas, e que todos percebam a importância de estar ali. No palco. Na vida. Amém!

Gabriel Chalita

domingo, 18 de julho de 2010

O Canto dos Vivos


Desejo essa imortalidade,
resistente em cada lenda.
O sigilo denso das florestas.
O índio e sua tenda.

Procuro a força do bem,
para anular meu próprio mal.
A espada justiceira de um Anjo,
Um pacto celestial.

Preciso saber do mundo,
ver além dessa janela.
Sentir o fogo de um vulcão,
cauterizando a terra.

Eu quero esquecer de vez,
toda e qualquer solidão.
Dar adeus a tudo isso,
desligar a televisão.

Desejo ver algo novo,
ter um segredo diferente.
Algum amor ou ilusão,
um mistério envolvente.

Quero ir a qualquer canto,
chegar ao meu lugar.
Conhecer os contornos das trilhas,
sem tanta pressa de voltar.

Preciso ser o que sou,
algo vivo, homem desperto.
porque preciso urgentemente,
pelo meu sonho ser liberto.

Márcia Alves de Nazaré

D.N.A poesia

Quero


Quero lhe falar do meu amor
Sufocado na saudade que senti
Renovando o brilho encantador
De todo sonho que então vivi

Quero lhe deixar minhas suaves rimas
Que nascem desse meu sentir profundo
Tecendo palavras em obras primas
Desse amor, maior que todo o mundo

Quero lhe cantar meus versos plenos
De uma paixão terna que ora renasce
Desse meus sonhos antigos e amenos
Desse rubor por vezes em minha face

Quero lhe entregar meu doce bem
Feita em plena magia e emoção
A ternura que meu peito contém
Quando por ti dispara o coração

Sabes de mim, mais do que pensas
Eu de você por vezes nem imagino
Porém, dás por amada recompensa
Esse teu jeito, esse coração de menino

E te amo com toda magia de uma mulher
Com toda dedicação de uma menina
E a vida desenha como ela mesma quer
Minha senda, nossa estrada, nossa sina.

Maria Rita Bomfim

Obscuridade

Caminho por entre as curvas
porque não há retas à minha frente
viajo sozinho deixando a ilusão para trás
quero entender o que ninguém sabe explicar

De onde eu venho, não tenho lembranças
para onde eu sigo não sei definir
e quando penso que encontrei o futuro
o cerco se fecha e não dá pra sair

O novelo é gigante e enorme é o brasão
não há nada adiante, atrás muito menos
girando o relógio os ponteiros disparam
então minha cabeça abraça o vazio

Meu coração descompassa na retórica
para que minha timidez possa sorrir do tédio
e ainda escravo dessa incerteza profana
ponho sobre a mesa da indecisão, o ócio

Marçal Filho

Despertei de um lindo sonho, em noite fria,
sentindo alguém a me observar...
Minha vida mudaria e eu não sabia...
Eros é quem estava a me mirar.

Não consegui esconder o meu rubor.
Tampouco desviei o seu olhar.
Meu coração reconheceu que era o amor
e eu queria aprender o que era amar...

Aos poucos ele se aproximou,
eu sabia que viria me domar.
De fera, virei presa e ele me amou.
Em êxtase me deixei enfeitiçar...

Meu corpo a mim já não pertencia,
emoção que é impossível descrever.
O ser que me habitava ainda sorria
quando, pelas brumas, deixou-se envolver...

Enfeitiçada, caí em sono profundo,
acreditando que ele fosse retornar.
Apesar de ser um ser de outro mundo
por este amor eu não me canso de esperar...

Georgea Fontes
Meus olhos
são praias rasas
de um profundo
mar de amor
que derrama
suas mágoas
no rumor vasto
das águas
na areia e morre
sem dor...

Dos teus navios
de sonhos
sou mais
que o navegador.
Meus olhos
são escotilhas
entreabertas
para as ilhas
do teu percurso
de amor...

A. Estebanez

Julho


que me importa
se a chuva despenca
ladeira abaixo?

que me importa
se minhas roupas
completam a paisagem?

é inverno
e por toda parte
há frio em mim

Nel Meirelles
Mas é fato, ando com preguiça de interpretar
o mundo, de entender as pessoas, de procurar os sete erros.
Gostaria de ter todas as respostas na última pagina,
de ter um manual de atitudes sensatas,
ter o pensamento voltado pra Meca.
Queria que ouvesse um serviço de telessoluções
entregues a domicílio em menos de meia hora.

Que gorjeta boa eu daria.

Martha Medeiros

Onde foi que fiquei?
A sombra da saudade,
em versos imersos desse meu segredo.

Onde foi que me deixaste?
A romper em desejos,
em pó,em crise,em medo.

O que foi que me fizeste?
A tomar minhas mãos,
incansáveis, sangrando
em vontades intermináveis.

Onde foi você, depois de me roubar?
Teu silêncio me estremesse.
Minha voz não te esquece...
Te chama... te ama... te pede.

Patty Vicensotti

Chovem duas chuvas:
de água e de jasmins
por estes jardins
de flores e de nuvens.

Sobem dois perfumes
por estes jardins:
de terra e jasmins,
de flores e chuvas.

E os jasmins são chuvas
e as chuvas, jasmins,
por estes jardins
de perfume e nuvens.


Cecília Meireles

"Eu pronuncio teu nome

Nesta noite escura,

E teu nome me soa

Mais distante que nunca

Mais distante que todas as estrelas

E mais dolente que a mansa chuva."

Frederico Garcia Lorca